Tempo São Paulo, SP

JORNAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

Últimas Notícias

Gestores avaliam bacias hidrográficas do RJ

10/30
11:52 2018

Encontro faz parte do processo de elaboração do Plano Nacional de Revitalização de Bacias Hidrográficas, conduzido pelo MMA e parceiros.



O debate nos estados sobre a preservação e recuperação dos rios brasileiros, que vem sendo conduzido desde junho pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), terá mais uma etapa nestas terça (30) e quarta-feira (31), no Rio de Janeiro, com a realização do encontro regional “O Brasil que cuida de suas águas: Construindo as bases para o Programa Nacional de Revitalização de Bacias Hidrográficas (PNRBH) - Mata Atlântica”.

 

A série de encontros, que teve início em junho – de lá para cá, ocorreram reuniões no Distrito Federal, Minas Gerais, Amazonas, Santa Catarina e Rio Grande do Sul –, faz parte do processo de elaboração do PNRBH, considerado pelo MMA uma demanda urgente em função da crise hídrica que atinge vários estados do País.

 

O encontro no Rio contará com a participação de dirigentes, representantes e técnicos do MMA, órgãos ambientais estaduais, comitês de bacias hidrográficas, organizações da sociedade civil, universidades e organismos internacionais, entre outras instituições envolvidas com o tema. Ao final, será produzido um documento com recomendações para a construção do PNRBH, contendo diretrizes, objetivos, arranjo institucional, áreas prioritárias e cronograma.

 

ATLÂNTICO LESTE

 

Segundo o secretário de Recursos Hídricos e Qualidade Ambiente do MMA, Jair Tannús, o planejamento e a gestão das bacias hidrográficas que compõem a região hidrográfica do Atlântico Sudeste, onde está localizado o Rio de Janeiro, tem especial relevância pelo fato de a área abrigar atividades diversas e com grande importância econômica para o país, como produção agrícola, petrolífera, industrial, pesqueira e turística.

 

Além disso, segundo Tannús, o estado do Rio está totalmente inserido no bioma Mata Atlântica, possuindo ecossistemas como restingas, manguezais, campos de altitude e formações florestais. “A Mata Atlântica é um dos biomas mais ricos do mundo em biodiversidade. No entanto, sua cobertura vegetal encontra-se restrita a alguns remanescentes já bastante fragmentados”, afirmou.

 

O secretário alertou que a cidade do Rio de Janeiro, como a maioria das grandes metrópoles, enfrenta sérios problemas ligados à qualidade do ar, ao saneamento básico, ao fornecimento de água em quantidade e qualidade para consumo, ao assoreamento dos rios, à poluição do mar e à falta de ordenamento territorial adequado. “Esses eventos resultam frequentemente em diversos impactos negativos que assolam a população e a biodiversidade do estado”, explicou.

 

Em contrapartida, ressalta Tannús, o Parque Nacional da Floresta da Tijuca e o Parque Estadual da Pedra Branca são dois exemplos de unidades de conservação com importância estratégica para a região. “Ambas estão em meio urbano, sendo o Parque Nacional da Tijuca, com o título de maior floresta plantada no mundo, e o Parque Estadual da Pedra Branca, a maior floresta urbana do mundo, com 12.500 hectares de extensão”, citou.

 

BAÍA DA GUANABARA

 

Outro ponto que merece destaque, de acordo com o secretário, é a Baía da Guanabara. Considerada um estuário que engloba cerca de 30 rios que, ao se juntarem, formam a região hidrográfica da Baía da Guanabara, ela possui, no seu entorno, as metrópoles do Rio de Janeiro e de Niterói, além de outros 14 municípios. “Esta intensa ocupação e urbanização da região, juntamente com o grande tráfego de embarcações em suas águas, impacta negativamente este corpo hídrico marítimo”, reforçou o secretário Jair Tannús.

 

O estado do Rio de Janeiro está dividido em nove regiões hidrográficas. Entre elas, a grande bacia do rio Paraíba do Sul, que abarca a área mais industrializada do Brasil e duas transposições de águas, com o desvio de entorno de 155 m3/s de seu leito, gerando impactos em toda sua extensão.

 

Entre seus usos, estão o abastecimento de toda a região metropolitana do Rio de Janeiro, pelo sistema Guandú (maior estação de tratamento de água do mundo) e o abastecimento de grande parte da região metropolitana de São Paulo, pelo sistema Cantareira.

 

Nesse contexto, explicou Tannús, “o encontro é uma oportunidade para o debate entre os paradigmas e os novos modos de olhar água sob a ótica da sustentabilidade”.

 

“Espera-se que, com o circuito nacional de encontros regionais, se possa integrar e mobilizar parceiros estratégicos, além de identificar experiências exitosas e receber contribuições ao Programa de Revitalização de Bacias Hidrográficas em elaboração. A recuperação e preservação dos rios brasileiros alia diversas agendas e políticas públicas a cargo do MMA e de outros ministérios e instituições do poder público e da sociedade civil”, finalizou o secretário.


Fonte: Portal MMA

 

 

Comentários (0)

Escreva um comentário





Comentários


Mais Notícias

Pará sedia seminário de educação ambiental Leia Mais!
MMA assina acordo para proteger Caatinga, Pampa e Pantanal Leia Mais!
Brasil apresenta avanços em convenção sobre biodiversidade Leia Mais!
PREMIAÇÃO PROJETO REVIVA O ÓLEO 2018 Leia Mais!
Menos desperdício, mais conscientização Leia Mais!
Por ações ligadas ao meio ambiente, Asia Shipping recebe Selo Verde Leia Mais!
Ibama desativa garimpos ilegais em dois parques nacionais no PA Leia Mais!
Fundo Amazônia atinge 1 bilhão em desembolsos Leia Mais!
Iniciativa mostra como aproveitar alimentos Leia Mais!
Oficina: áreas prioritárias para conservação da Mata Atlântica Leia Mais!
MMA promove semana contra desperdício de alimentos Leia Mais!