Tempo São Paulo, SP

Últimas Notícias

Desafios para a gestão dos recursos hídricos no país

09/27
12:37 2018

Em seminário na sede do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), gestores governamentais e consultores debatem o legado de sete anos do programa Interáguas.



O Programa de Desenvolvimento do Setor Água, o Interáguas, que chega ao final em outubro, deixa um legado importante para a gestão dos recursos hídricos. Os conhecimentos gerados nos sete anos de funcionamento do programa podem, agora, ser utilizados para a concretização de políticas públicas e obras fundamentais para o desenvolvimento sustentável do país.

 

Em resumo, essa foi a tônica dos discursos de abertura do seminário “Programa Interáguas – Contextualização e Avaliação”, que segue até esta quinta-feira (27) na sede do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), em Brasília. O evento reúne gestores governamentais e consultores com o objetivo de fazer um balanço dos resultados do programa.

 

O Interáguas foi instituído em 2012 para articular e coordenar órgãos públicos que atuam no setor de água. Nesses sete anos, ajudou a viabilizar, com recursos do Banco Mundial, iniciativas dos ministérios do Meio Ambiente, da Integração Nacional, das Cidades e da Agência Nacional de Águas (ANA). O trabalho teve apoio do IICA.

 

“O Interáguas permitiu aumentar a capacidade institucional e de planejamento do Estado brasileiro na gestão dos recursos hídricos, ao contribuir para uma melhor articulação e coordenação das ações entre os vários entes da federação, que têm a água como um elemento integralizador”, afirmou o secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente, Romeu Mendes do Carmo.

 

O secretário elencou alguns projetos viabilizados pelo MMA com apoio do Interáguas. Ele citou o diagnóstico do Plano Nacional de Recursos Hídricos (PNRH), que definiu a estratégia para as ações a partir de 2021, quando o plano entra numa nova fase, e a elaboração do Plano de Recursos Hídricos de Goiás, desenvolvido em parceria com o governo estadual.

 

Romeu Mendes destacou, ainda, a produção da Carta das Águas Subterrâneas do Paraná, em parceria com o governo estadual, por meio do Instituto das Águas do Paraná, e com o Serviço Geológico do Brasil (CPRM), vinculado ao Ministério de Minas e Energia. O documento cartográfico traça um panorama georreferenciado das características quantitativas e qualitativas das potencialidades dos 11 aquíferos existentes no estado.

 

“Espera-se que o conjunto de documentos elaborados possa, além de ampliar o conhecimento hidrogeológico, subsidiar decisões técnicas, administrativas e políticas relacionadas à gestão dos recursos hídricos e, assim, contribuir para a qualificação do planejamento e uso da proteção e aproveitamento racional e sustentável das águas subterrâneas”, pontuou o secretário-executivo.

 

Segundo ele, apesar das dificuldades orçamentárias, o MMA, por meio do Interáguas, “não deixou de olhar para o Velho Chico, em razão de sua importância”. Com apoio da Agência Nacional de Águas (ANA) e da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), elaborou o Macrozoneamento Ecológico-Econômico da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, que sistematiza informações imprescindíveis para o ordenamento territorial e sustentável da região, harmonizando as relações econômicas, sociais e ambientais.

 

“O macroZEE da Bacia Hidrográfica do São Francisco representa um pacto pela bacia, visando a utilização de seus recursos naturais, seguindo o princípio da sustentabilidade. É importante destacar que, em todas as fases do estudo, a participação da sociedade foi efetiva, tendo sido realizadas mais de dez oficinas regionais em toda a região da bacia”, finalizou o secretário-executivo.

 

O PROGRAMA

 

O Programa de Desenvolvimento do Setor Água (Interáguas) foi estruturado a partir de três eixos de atuação – Gestão dos Recursos Hídricos; Água, Irrigação e Gestão de Desastres, e Defesa Civil; e Abastecimento de Água e Saneamento. Um quarto eixo (Coordenação Intersetorial e Planejamento Integrado) foi responsável por estimular a atuação conjunta destes agentes, o que resultou em projetos como o Atlas Esgotos: Despoluição de Bacias Hidrográficas, desenvolvido pela ANA e pelo Ministério das Cidades.



Com relação à água e saneamento, o programa realizou um diagnóstico do tratamento e da coleta de esgoto em todos os municípios do País, que aponta para soluções e necessidades de investimentos para universalização desses serviços.

 

 


Fonte: Portal MMA

 

 

Comentários (0)

Escreva um comentário





Comentários


Mais Notícias

54% dos municípios têm plano de resíduos sólidos Leia Mais!
Anteprojeto sobre químicos em debate Leia Mais!
Ministro anuncia investimentos para Parque do Pau Brasil Leia Mais!
Especialistas debatem gerenciamento costeiro Leia Mais!
Brasil e Argentina firmam cooperação para segurança química Leia Mais!
Encontro discute regiões hidrográficas do Sul Leia Mais!
Aprovada resolução para manejo de fauna silvestre e exótica Leia Mais!
Ação brasileira contribui para combate à mudança do clima Leia Mais!
Mais recursos para revitalizar a região do Velho Chico Leia Mais!
Operação resgata 118,5 mil peixes de lagoas ameaçadas Leia Mais!
R$ 228 milhões para expandir energias renováveis Leia Mais!