Tempo São Paulo, SP

Últimas Notícias

Brasil, Bolívia e Paraguai juntos pelo Pantanal

03/26
12:55 2018

Declaração trinacional assinada no 8º Fórum Mundial da Água sela compromisso conjunto para desenvolvimento sustentável do bioma.



O Pantanal será protegido por ações conjuntas dos três países em que o bioma está presente. Brasil, Bolívia e Paraguai assinaram nesta quinta-feira, no 8º Fórum Mundial da Água, declaração inédita para a conservação e o desenvolvimento social, econômico e sustentável do bioma. O documento foi firmado pelo ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, e por ministros das outras duas nações. No evento, também foi anunciado que a região pantaneira será a próxima beneficiada por recursos da conversão de multas ambientais.



A declaração trinacional promove a integração de medidas para o bioma. "O documento trata com destaque a gestão dos recursos hídricos, mas sem esquecer conservação de ecossistemas, áreas úmidas, biodiversidade e conectividade", declarou Sarney Filho. O ministro ressaltou a importância de ações que articulem os governos dos países e dos estados brasileiros da região pantaneira. "O Pantanal não é só um patrimônio do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul, é um patrimônio do Brasil e do mundo", completou.



O documento envolve o respeito aos povos do Pantanal e as ações propostas orientam os diversos usos dos recursos hídricos da região. As medidas incluem o controle da poluição, o fortalecimento da governança da água com foco nos ecossistemas, a adoção de sistemas produtivos resilientes para reduzir os efeitos da mudança do clima e a ampliação do conhecimento científico. "Assim, os três países demonstram ao mundo que a região é líder em sustentabilidade", afirmou o ministro do Meio Ambiente da Bolívia, Carlos René Ortuño Yañez.



Os países destacaram a necessidade de mecanismos internacionais com foco na gestão da água. "Os Estados nacionais devem considerar acordos que enfatizem a sustentabilidade dos recursos hídricos", defendeu o boliviano Carlos René. O ministro de Relações Exteriores do Paraguai, Didier Cesar Adorno, acrescentou que protocolos como a declaração trinacional assinada no Fórum contribuem para melhores resultados. "Juntos, podemos trabalhar de forma pactuada, unidos com responsabilidades compartilhadas", emendou Adorno.



COOPERAÇÃO



O compromisso entre os governos do Brasil, da Bolívia e do Paraguai para a cooperação com foco no Pantanal foi assumido em 2015, em reunião da Convenção de Ramsar, tratado global que promove a proteção das áreas úmidas pelo mundo. Uma resolução aprovada à época enfatizou o importante papel da conservação e do desenvolvimento sustentável da região, para a manutenção das funções dos ecossistemas nos países da Bacia do Prata.



Desde então, os três países passaram a estudar áreas de interesses comuns e definir medidas para o desenvolvimento sustentável da região, em um trabalho que culminou na assinatura da declaração trinacional. A organização não-governamental WWF apoiou os trabalhos que envolveram as três nações. "Para as áreas naturais, não há fronteiras", lembrou Maurício Voivodic, diretor-executivo do WWF Brasil.



CONVERSÃO DE MULTAS



A região do Pantanal será a próxima beneficiada pelo Programa de Conversão de Multas ambientais. Sarney Filho afirmou, no evento, que existe a previsão de que seja publicado, no próximo mês, o chamamento para seleção de projetos de recuperação na Bacia do Taquari, que faz parte do bioma. "A decisão política já está tomada. O chamamento vai ser colocado e aquele problema histórico da bacia do Taquari, agora, vai ter recursos específicos", afirmou.



O ministro lembrou que o decreto de criação do Programa de Conversão de Multas foi assinado em evento no Pantanal, em decorrência da importância do bioma e da previsão de beneficiá-lo com a medida. A iniciativa permite que o valor arrecadado com o pagamento de infrações ambientais seja aplicado em projetos de recuperação de áreas degradadas. A conversão, porém, não livra o infrator da obrigação de recuperar o dano ambiental que originou a multa.



Além da declaração e do chamamento, o governo federal trabalha em outras frentes para a proteção ambiental na região pantaneira. Estão em curso os estudos para ampliação e criação de novas unidades de conservação e de corredores ecológicos entre o Parque Nacional do Pantanal, a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Sesc Pantanal e a Estação Ecológica Taiamã. Também está em andamento a criação de um corredor entre os territórios brasileiros, bolivianos e paraguaios.



O PANTANAL





O Pantanal é a maior planície inundável continental do mundo, com cerca de 175 mil km². Segundo o WWF, o bioma abriga 656 espécies de aves, 159 de mamíferos, 325 espécies de peixes, 98 de répteis, 53 de anfíbios e mais de 3,5 mil plantas. No Pantanal, há 10 sítios Ramsar, áreas úmidas reconhecidas pela Convenção. Três deles ficam no Brasil: o Parque Nacional do Pantanal Matogrossense, a RPPN Sesc Pantanal e a RPPN Fazenda do Rio Negro.


Fonte: Portal MMA

 

 

Comentários (0)

Escreva um comentário





Comentários


Mais Notícias

Estratégia fortalece conhecimento sobre os Biomas Leia Mais!
Acordo fortalece gestão hídrica no país Leia Mais!
Convenção sobre mercúrio é promulgada Leia Mais!
Acordo reforça proteção na Amazônia Leia Mais!
Emissões do Brasil não justificam otimismo com meta de 2020 Leia Mais!
MMA oferece nove cursos a distância Leia Mais!
Mudança climática trará mais mortes por ondas calor; Brasil preocupa Leia Mais!
Publicadas normas de ordenamento pesqueiro Leia Mais!
Brasil reforça medidas para áreas marinhas Leia Mais!
Aquecimento duplicou chance de onda de calor europeia Leia Mais!
Brasil sedia encontro sobre aves migratórias Leia Mais!