Tempo São Paulo, SP

Últimas Notícias

Com base dividida, Câmara aprova MP do Trilhão para o setor de petróleo

12/01
11:16 2017

Texto-base da proposta que amplia isenções para indústria do petróleo até 2040 passou por 208 votos contra 184 em sessão tumultuada de mais de cinco horas; sociedade civil fez ato contra a medida



A Câmara dos Deputados aprovou às 22h53 desta quarta-feira (29) o texto-base da Medida Provisória 795, que concede isenções tributárias para a indústria do petróleo que podem ultrapassar R$ 1 trilhão em 25 anos.



A votação ocorreu numa sessão tumultuada, que se arrastou desde o final da tarde e teve bate-boca entre deputados e até xingamentos à consultoria legislativa da Casa.



Um acordo entre os líderes da oposição e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), permitiu que os destaques ao texto fossem votados para a semana que vem. Isso acabou com a obstrução dos oposicionistas, que apresentaram vários requerimentos para que a votação fosse suspensa – e que Maia derrubou, um a um.



O placar final, 208 a 184, mostrou que o tema dividiu a base aliada do presidente Michel Temer (PMDB). PT, PSOL, PCdoB e Rede votaram em massa contra a MP. O PSDB, uma espécie de gato de Schrödinger da base temerista, que está e não está no governo ao mesmo tempo, liberou sua bancada, mas votou majoritariamente pela aprovação da 795. O PMDB teve seis defecções (15% dos deputados presente). O PR surpreendeu, com 41% de seus deputados votando contra o governo. Já o PV teve um voto a favor do subsídio às petroleiras, do deputado capixaba Evair Vieira de Melo. O PV é a legenda do ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, que considera a MP um “retrocesso”.



Placar da votação de quarta-feira (Foto: Luís Macedo/Câmara dos Deputados)

Placar da votação de quarta-feira (Foto: Luís Macedo/Câmara dos Deputados)



A sessão foi precedida de um protesto de organizações da sociedade civil com parlamentares ambientalistas contra a MP do Trilhão. Durante ato, o cacique Kretã Kaingáng entregou a Rodrigo Maia uma carta assinada por mais de 120 organizações, alertando que a proposta legislativa expõe o “país a risco econômico e o mundo a risco climático inaceitáveis”. Risco econômico porque o Brasil ainda enfrenta crise fiscal e arrocho em áreas como saúde, educação e segurança. E climático porque somente o petróleo do pré-sal tem potencial de, se queimado, esgotar mais de 18% do orçamento de carbono de que a humanidade dispõe se quiser estabilizar o aquecimento global em 1,5oC, como propõe o Acordo de Paris.



O deputado Nilto Tatto (PT-SP), presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara, disse que a MP impedirá que o Brasil cumpra as metas com que se comprometeu no Acordo de Paris. “Esta postura de explorar o mais rápido possível o petróleo não condiz com a postura do Brasil nas negociações do clima.”



“Esta MP é a Black Friday do pré-sal”, comparou Márcio Astrini, coordenador de Políticas Públicas do Greenpeace.



Ao receber a carta das mãos do líder indígena, o presidente da Câmara disse que botaria a 795 em votação ontem “de qualquer jeito”, e assim o fez.



A oposição iniciou, então, um processo de obstrução da matéria que se arrastou noite adentro. Deputados oposicionistas chamaram a MP de “crime de lesa-pátria” e acusaram Temer de “vender o país ao capital estrangeiro”. André Figueiredo (PDT-CE) chegou a propor uma mudança na grafia do nome do presidente para “MiShell” Temer – em alusão à denúncia publicada pelo jornal britânico The Guardian de que funcionários do governo britânico fizeram lobby no Ministério de Minas e Energia pela MP, que beneficia as petroleiras inglesas BP e Shell.



O governista Felipe Maia (DEM-RN) retrucou que as isenções fiscais ampliadas pela 795 já vêm sendo concedidas desde o governo Lula.



“LADRÕES”



A votação descambou para o bate-boca quando Glauber Braga (PSOL-RJ) pegou o microfone. “Peço que o que eu vou falar agora não seja retirado das notas taquigráficas”, iniciou. E prosseguiu: “Há dois tipos de pessoas que votarão a favor desta MP hoje; os desinformados e os ladrões”. Maia imediatamente mandou retirar a fala dos registros oficiais da Câmara.



O relator da MP, Júlio Lopes (PP-RJ), se irritou. Primeiro, chamou de “irresponsável” e “idiota” a análise técnica da MP feita pelo consultor legislativo da Câmara Paulo César de Lima. É no estudo de Lima que aparece a conta de que a renúncia fiscal dada pela 795 pode chegar a R$ 1 trilhão em 25 anos. “Levaria 54 anos para atingir esse montante, não 25.” Depois, chamou Glauber Braga de “desinformado” e mandou-o estudar.



“O sr. foi secretário do governo de Sérgio Cabral no Rio de Janeiro. Essa escola eu prefiro não frequentar”, treplicou Braga, em referência ao ex-governador preso por corrupção.



A MP terá seus destaques votados na semana que vem e seguirá para o Senado. Caso não complete sua tramitação até dia 15, o texto caduca e o governo precisará reeditá-lo no ano que vem.



 



Fonte: Observatório do clima

 

 

Comentários (0)

Escreva um comentário





Comentários


Mais Notícias

RenovaBio é aprovado no Senado Leia Mais!
ANA premia boas práticas na gestão da água Leia Mais!
Mundo reforça combate ao lixo marinho Leia Mais!
Cerrado será monitorado por satélite Leia Mais!
Com base dividida, Câmara aprova MP do Trilhã... Leia Mais!
Carbono em excesso aumenta a sede das plantas... Leia Mais!
Acordo setorial de embalagens supera meta Leia Mais!
Meta de 1,5ºC estimula complacência, dizem pe... Leia Mais!
Emenda para proteger o clima entra em vigor Leia Mais!
Aberta consulta sobre Fundo Verde do Clima Leia Mais!
COP23 entrega o que prometeu, mas não o que p... Leia Mais!