Tempo São Paulo, SP

Últimas Notícias

COP23 testa resiliência do “espírito de Paris”

11/06
13:09 2017

Conferência do clima de Fiji-Bonn, que começou nesta segunda-feira, enfrenta retorno da polarização norte-sul, precipitado pela eleição de Donald Trump, que contamina diálogo necessário sobre ampliação de metas de corte de emissões e de financiamento



A 23a conferência do clima da ONU começou nesta segunda-feira (6) em Bonn com uma missão declarada: rascunhar o livro de regras do acordo do clima de Paris. No entanto, o que estará à prova nas plenárias e nos corredores do Centro Mundial de Conferências da antiga capital alemã é a própria capacidade dos 196 países-membros da Convenção do Clima de manter viva a lógica que permitiu o tratado de 2015. O espírito do “um por todos, todos por um” que animou Paris enfrenta seu primeiro teste real.



É fundamental, obviamente, que a conferência de Bonn termine com um texto que permita a finalização do complexo manual de implementação do Acordo de Paris em 2018. Mas o que realmente importa na COP23 é a maneira como a presidência de Fiji conduzirá a preparação para o chamado “Diálogo Facilitativo”, também marcado para 2018. Trata-se da primeira conversa séria sobre a insuficiência das metas postas na mesa para limitar o aquecimento global a “bem menos de 2oC” e “envidar esforços para limitá-lo a 1,5oC. Será uma conversa difícil.



Para não dizer que nada avança na diplomacia climática, os fijianos já conseguiram um feito extraordinário: mudar o nome do “Diálogo Facilitativo” para algo mais tropical e sexy, “Diálogo Talanoa”, que remete a pegação na praia luau, batida de coco e espetinho de camarão. O problema é que será necessário mais do que isso. O Diálogo Talanoa precisa desmontar a arapuca armada por Donald Trump, que botou os países em desenvolvimento na defensiva ao suspender os repasses para o Fundo Verde do Clima. Sem financiamento adequado, o mundo emergente se recusa a discutir aumento da ambição no corte de emissões. Mas os europeus, que querem ver ambição na mesa, não se dispõem a pagar a parte dos EUA na conta. Restaura-se, assim, o jogo de empurra que produziu 20 anos de inação no clima.



Em 2015, o multilateralismo andava nu e falava com os bichos. Um entendimento sem precedentes entre o maior emissor histórico de gases de efeito estufa, os EUA, e o maior emissor corrente, a China, somado a uma costura hábil da diplomacia francesa, impulsionou uma trégua histórica na lógica de soma zero que sempre imperou nas negociações. Até Paris, o que tirava os diplomatas da cama era a necessidade de evitar serem passados para trás: se você ganha, eu necessariamente perco. O estabelecimento de regras internacionais para combater a mudança do clima era visto como um esforço de repartição justa de ônus.



O Acordo de Paris foi um dos raros momentos em que o contexto mundial permitiu aos políticos vislumbrar o iceberg climático para o qual tanto ricos (vide os incêndios florestais que arrasaram a chique zona vinícola da Califórnia) quanto pobres (vide os furacões no Caribe e a seca no Nordeste do Brasil) rumavam enquanto seus negociadores discutiam sobre quem era mais incompetente ao timão. Fechou-se um tratado engenhoso, que abria a possibilidade de revisão quinquenal para aumentar a ambição das metas nacionais até que o problema estivesse resolvido. Assim, não seria mais necessário reabrir as regras e rediscutir toda a relação de tempos em tempos, um dos problemas do antecessor de Paris, o Protocolo de Kyoto.



Para obter um acordo, porém, Paris cometeu dois pecados pelos quais teria de responder cedo ou tarde. O primeiro foi estabelecer metas nacionais totalmente voluntárias, as NDCs – uma forma de arregimentar os EUA, cujo Senado jamais aprovaria obrigações internacionais compulsórias. O segundo, decorrente do primeiro, foi chutar para a frente a conversa sobre aumento de ambição, tanto em financiamento quanto em corte de emissões; afinal, em 2015 já estava claríssimo que o conjunto das metas dos países não fazia nem cócegas na mudança climática. Pois bem: o dia do juízo chegou.



A eleição-surpresa de Donald Trump, em 2016, durante a COP22, no Marrocos, expôs toda a fragilidade do arcabouço de Paris. Num sistema baseado em confiança e cooperação (algo que desafia as relações internacionais, geralmente movidas por força e coação), basta um grande jogador dar uma roubadinha para tudo desmoronar. Trump, que enxerga a vida como um jogo de soma zero, deu uma roubadona: suspendeu o cumprimento da NDC americana e cortou a contribuição com o Fundo Verde do Clima, que estaria “custando aos Estados Unidos uma vasta fortuna” (sic).



Mesmo que os EUA não melem deliberadamente as conversas da COP de Fiji-Bonn – e nem teriam moral para isso, já que Trump anunciou a saída do Acordo de Paris, transformando seus delegados em mortos-vivos na negociação –, o clima de desconfiança já está instaurado e a trégua na polarização norte-sul já foi minada. Como discutir transparência e comparabilidade das NDCs quando o maior responsável pela mudança do clima não vai nem cumprir a sua? Como exigir de Índia, China e Brasil que ampliem suas metas pífias de corte de emissões quando nenhum país rico quer saber de aumentar seu igualmente pífio financiamento climático e menos ainda inteirar o calote americano? Como fazer avançar o “pacote de solidariedade” de Fiji-Bonn, que inclui um mecanismo de perdas e danos para aliviar países vulneráveis impactados pelo clima (vide o Vietnã, que enfrenta neste momento o tufão Damrey), quando o governo do país mais rico do mundo age segundo a máxima do “eu quero que o pobre se exploda”? Caberá a Fiji, uma nação que teria todos os motivos do mundo para sentir-se injustiçada e amargurada, conduzir a COP e estruturar o Diálogo Talanoa circundando a ausência americana.



Há alguns elementos no mundo real que autorizam algum otimismo: pelo terceiro ano consecutivo, as emissões por uso de energia não subiram no mundo; a China e a Índia tendem a exceder o cumprimento de suas NDCs, o que não chega a ser um alívio para o clima, já que ambas são ridiculamente pouco ambiciosas, mas deve compensar em grande parte a defecção trumpiana; e os investimentos em energias renováveis e a queda do preço da energia solar mostram que cortar emissões hoje significa ganhar dinheiro, não perder. Com ou sem Acordo de Paris, a transição da matriz energética global para longe dos combustíveis fósseis é uma questão de “quando”, não de “se”.



O diabo é que o “quando”, no caso, importa mais do que nunca: o último relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente sobre o fosso entre metas globais e necessidade climática indica que, se a ambição não crescer até 2020, o mundo ficará impossibilitado de estabilizar o clima sem arrebentar a economia. A menos que alguma tecnologia revolucionária de remoção de carbono do ar ganhe escala, a janela de oportunidade se fecha daqui a pouco.


Fonte: Observatório do clima

 

 

Comentários (0)

Escreva um comentário





Comentários


Mais Notícias

RenovaBio é aprovado no Senado Leia Mais!
ANA premia boas práticas na gestão da água Leia Mais!
Mundo reforça combate ao lixo marinho Leia Mais!
Cerrado será monitorado por satélite Leia Mais!
Com base dividida, Câmara aprova MP do Trilhã... Leia Mais!
Carbono em excesso aumenta a sede das plantas... Leia Mais!
Acordo setorial de embalagens supera meta Leia Mais!
Meta de 1,5ºC estimula complacência, dizem pe... Leia Mais!
Emenda para proteger o clima entra em vigor Leia Mais!
Aberta consulta sobre Fundo Verde do Clima Leia Mais!
COP23 entrega o que prometeu, mas não o que p... Leia Mais!