Tempo São Paulo, SP

Últimas Notícias

País reforçará ação climática com a sociedade

10/17
11:56 2017

Conferência do Clima ocorrerá em novembro, na Alemanha. Espaço Brasil sediará debates e fortalecerá engajamento do país no tema.



Um risco global pode estar a caminho. A comunidade científica já alertou que a temperatura média do planeta subirá caso não sejam reduzidas as emissões de gases de efeito estufa geradas pela indústria, pela queima de combustíveis e por outras fontes. Esse aquecimento poderá expor pessoas mundo afora a incêndios florestais, secas e diversos eventos extremos. Diante do cenário alarmante, mais de 190 países reúnem-se todos os anos em encontros que ficaram conhecidos como as Conferências do Clima, com o objetivo de amenizar a questão.



A próxima edição do evento ocorrerá em novembro e será tema de uma série de matérias que o Ministério do Meio Ambiente (MMA) publica a partir de hoje (16/10), sempre às segundas-feiras. Essa será a vigésima terceira edição da reunião anual, que atende pelo nome oficial de 23ª Conferência das Partes (COP 23) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, na sigla em inglês). Serão duas semanas, entre 6 e 17 de novembro, de negociações e debates em Bonn, na Alemanha.



Pioneiro na agenda, o Brasil apresentará os avanços na ação climática nacional e debaterá as diversas questões ligadas ao tema em uma área montada pelo governo federal dentro da Conferência. O Espaço Brasil na COP 23 envolverá representantes de órgãos públicos, do setor privado, da academia e da sociedade civil em debates sobre o que é necessário fazer para conter a mudança do clima a nível nacional e mundial.



CRIATIVIDADE



O principal objetivo da COP 23 será avançar na regulamentação do Acordo de Paris, um esforço mundial em que cada país tem seu papel frente à mudança do clima. Considerada uma das mais ambiciosas, a meta brasileira envolve todos os setores da economia. “Precisamos ser criativos com especialistas do setor financeiro que possam projetar mecanismos inovadores”, declarou o secretário de Mudança do Clima e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, Everton Lucero, em debate com o setor industrial.



A ação climática proposta pelo Acordo de Paris é vista pelo Brasil como uma oportunidade de desenvolvimento sustentável do país. De acordo com Lucero, setores como a bioenergia e a bioquímica podem ser impulsionados a partir desse novo cenário global. “O desafio é reunir especialistas em engenharia financeira e garantir que a nossa economia possa prosperar e a competitividade ser mantida”, acrescentou o secretário.



O engajamento na questão climática é global. Anfitriã da Conferência que, em 2015, estabeleceu o Acordo de Paris, a França também reconhece esse potencial de desenvolvimento. “Energias renováveis e novas tecnologias de baixo carbono conquistam o mercado com preços competitivos, o que confirma que está sendo realizado, no mundo todo, uma transição energética irreversível”, avaliou o ministro-conselheiro da Embaixada da França no Brasil, Gilles Pécassou, em audiência no Senado Federal.



EMISSÕES



O Brasil tem diversas frentes de ação para cumprir suas metas. Pelas estimativas oficiais, o setor de energia é responsável por 37% das emissões líquidas brasileiras, conforme os dados mais recentes do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, referentes a 2014. A agropecuária responde por 33% das emissões, seguida pelos setores de mudança de uso da terra e florestas (18%), processos industriais (7%) e tratamento de resíduos (5%).



O MMA é responsável por diversos programas que atuam na redução de emissões, chamada de “mitigação” no jargão das conferências. O projeto Siderurgia Sustentável é uma dessas iniciativas e fomenta a produção de carvão limpo e eficiente (carvão vegetal) para ser usado pelo setor. No Brasil, cerca de 30% da produção de ferro gusa e aço já usa o carvão vegetal como fonte. Enquanto isso, no mundo, o uso de combustíveis fósseis nesse segmento chega a 98,5%.



O Projeto Eficiência Energética em Edificações (Projeto 3E) também atua na mitigação ao promover melhores práticas de uso da energia junto à sociedade. A iniciativa parte da constatação de que o setor de edificações responde por mais de 40% da eletricidade consumida no país. A partir daí, o 3E desenvolve um mercado de eficiência em prédios públicos e comerciais por meio de ações como avaliações do consumo em órgãos públicos e treinamentos para etiquetagem de eficiência energética em edificações.



O ACORDO DE PARIS



Concluído em dezembro de 2015, na COP 21, o Acordo de Paris é um esforço mundial para “manter o aumento da temperatura média global bem abaixo dos 2 °C acima dos níveis pré-industriais e buscar esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5 °C”. Para isso, cada país apresentou sua meta de corte de emissões, conhecida como Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC).



A meta brasileira é reduzir 37% das emissões de gases de efeito estufa até 2025, com indicativo de cortar 43% até 2030 – ambos em comparação a 2005. Como forma de alcançar o objetivo, a NDC brasileira propõe, entre outras coisas, restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas e aumentar a participação de bioenergia sustentável na matriz energética brasileira.





 



SAIBA MAIS



Confira os principais termos para entender a COP 23:



UNFCCC – A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) foi criada como um dos resultados da Rio 92, a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada há 25 anos no Rio de Janeiro. A UNFCCC reúne, hoje, mais de 190 países signatários que atuam com foco em medidas para mitigar a mudança do clima e se adaptar a ela.



COP – A Conferência das Partes (COP) é o órgão supremo da UNFCCC. Todos os anos, representantes dos países signatários reúnem-se, na COP, para adotar medidas e acompanhar o andamento dos acordos estabelecidos anteriormente. A cada ano, a reunião ocorre em uma cidade diferente. A 23ª edição da COP será realizada em Bonn, onde fica a sede da UNFCCC. A presidência da COP 23 será exercida pela República das Ilhas Fiji.



NDC – As Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs) representam o compromisso dos signatários da UNFCCC com a redução de emissões de gases de efeito estufa em seus próprios territórios. Ao longo do processo de conclusão do Acordo de Paris, cada país apresentou a sua meta com percentuais de corte de emissões, prazos e ações para atingi-los.



 


Fonte: Portal MMA

 

 

Comentários (0)

Escreva um comentário





Comentários


Mais Notícias

RenovaBio é aprovado no Senado Leia Mais!
ANA premia boas práticas na gestão da água Leia Mais!
Mundo reforça combate ao lixo marinho Leia Mais!
Cerrado será monitorado por satélite Leia Mais!
Com base dividida, Câmara aprova MP do Trilhã... Leia Mais!
Carbono em excesso aumenta a sede das plantas... Leia Mais!
Acordo setorial de embalagens supera meta Leia Mais!
Meta de 1,5ºC estimula complacência, dizem pe... Leia Mais!
Emenda para proteger o clima entra em vigor Leia Mais!
Aberta consulta sobre Fundo Verde do Clima Leia Mais!
COP23 entrega o que prometeu, mas não o que p... Leia Mais!