Tempo São Paulo, SP

JORNAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

Últimas Notícias

As flechadas de Temer atingem as terras indígenas

09/06
12:17 2017

Manter Temer na Presidência custa caro à nação. Para sobreviver às flechadas de Janot, o governo atende a lobbies fortes no Congresso, como ruralistas, mineradoras e grileiros. Interesses que ameaçam o ambiente e os povos indígenas



Em agosto, além de extinguir a reserva da Renca (Amazônia) para entregá-la à mineração, Temer anulou a declaração da terra indígena (TI) Jaraguá (município de São Paulo). Não são casos isolados.



O governo tem aceitado o Marco Temporal, que desconsidera os direitos dos índios a terras que ocuparam (e de onde foram expulsos) antes da Constituição de 1988. Se a tese, inconstitucional, prevalecer, a maioria das áreas indígenas estará ameaçada.



O artigo 31 da Carta Magna garante os direitos originários dos índios às terras que tradicionalmente ocuparam e utilizaram para suas atividades, necessárias à preservação dos recursos ambientais e ao seu bem-estar e reprodução física e cultural segundo seus usos, costumes e tradições.



A demarcação de terras indígenas, competência da União, se inicia com estudos de natureza etno-histórica, jurídica, cartográfica e ambiental, orientados pela Funai e conduzidos por antropólogos. Com base nesses estudos, é reconhecida a delimitação e, após a declaração, as benfeitorias feitas por não indígenas são indenizadas e as terras são homologadas.



Entre 2010 e 2013, a TI Jaraguá foi estudada e delimitada. A Funai reconheceu um território de 532 hectares, que foi declarado em 2015 pela União. Mas as indenizações e a homologação não foram realizadas e o governo quer voltar atrás.



Na área vivem 700 guaranis, em quatro pequenas aldeias. Apenas a aldeia Ytu, com 1,7 hectare (a menor terra indígena do país), foi homologada, em 1987. Pyau, embora situada em território declarado, sofre ação de despejo.



As aldeias estão enclausuradas, e os índios vivem apinhados. A falta de espaço é estranha ao seu modo de vida, embora eles mantenham tradições, língua, religiosidade e educação infantil segundo seus costumes.

Situada entre as rodovias Anhanguera e Bandeirantes, o território guarani é cobiçado por uma gama variada de interesses imobiliários. O Plano Diretor de São Paulo de 2014 antecipou-se à União e o incluiu como integrante da zona rural e do sistema de áreas protegidas.



A norma é parte da estratégia para conter o crescimento horizontal da cidade, proteger o ambiente e incentivar usos sustentáveis, como agroecologia e ecoturismo.



O governo estadual questiona a delimitação, pois ela engloba parte do Parque Estadual do Jaraguá. Com diálogo, planejamento e gestão integrada, a questão pode ser equacionada, pois a sustentabilidade é a essência do modo de vida guarani, intrinsecamente ligado a mata atlântica.


Fonte: Envolverde

 

 

Comentários (0)

Escreva um comentário





Comentários


Mais Notícias

Convenção sobre mercúrio é promulgada Leia Mais!
Acordo reforça proteção na Amazônia Leia Mais!
Emissões do Brasil não justificam otimismo com meta de 2020 Leia Mais!
MMA oferece nove cursos a distância Leia Mais!
Mudança climática trará mais mortes por ondas calor; Brasil preocupa Leia Mais!
Publicadas normas de ordenamento pesqueiro Leia Mais!
Brasil reforça medidas para áreas marinhas Leia Mais!
Aquecimento duplicou chance de onda de calor europeia Leia Mais!
Brasil sedia encontro sobre aves migratórias Leia Mais!
Áreas prioritárias da AM serão atualizadas Leia Mais!
Em pauta, normas para eletroeletrônicos Leia Mais!