Tempo São Paulo, SP

Últimas Notícias

Entenda porque a liberação da reserva amazônica não é boa para o ambiente nem para a economia

08/29
11:56 2017

Listamos cinco motivos para ilustrar o que essa liberação pode causar ao Brasil



Direitos dos povos indígenas

De acordo com Maria Fernanda Ribeiro, em artigo publicado na página do Estadão, a liberação da Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), localizada entre os estados do Amapá e Pará, representará retrocessos aos direitos dos povos indígenas que habitam por lá. Diversas irregularidades foram encontradas na Terra Indígena Kayapó, como o garimpo ilegal de ouro, que degrada o solo e o deixa praticamente irrecuperável. Além disso, garimpeiros foram encontrados acampados no território enquanto faziam realizavam as atividades.



Florestas protegidas

Segundo matéria publicada no site DW, a abertura da reserva causa muita preocupação aos ambientalistas, pois a região engloba, além de reservas indígenas, florestas protegidas. O decreto que Temer assinou, porém, aponta que a medida não irá desconsiderar nenhuma norma de preservação ambiental, mesmo não tendo dado detalhes de como será a entrada dos mineradores na região.



Impactos causados pela mineração

Enquanto entidades ambientais protestam veementemente a liberação da reserva amazônica, o setor de mineração comemora. Porém, não estão levando em consideração todos os impactos que a mineração pode causar. Maria Fernanda Ribeiro aponta que tais impactos são “uma tragédia anunciada” por conta do uso desmedido de mercúrio, por exemplo, o que pode causar rastros ambientais gravíssimos.



O governo se interessa mais pelo enriquecimento do que pela preservação da biodiversidade brasileira

Maria Fernanda Ribeiro diz que “o Brasil, que é reconhecido mundialmente como o mais rico em biodiversidade está prestes a entrar para os anais como a nação que se autodestruiu em troca de interesses privados de enriquecimento a custo de grilagem de terras públicas”.



5)    Benefícios econômicos apenas em curto prazo



Por fim, áreas protegidas pela reserva estão prestes a serem acessadas por atividades como o garimpo e a grilagem, que, apesar de trazer lucros consideráveis a curto prazo, são empreendimentos fadados a acabar em cerca de alguns anos, deixando para trás somente uma terra irreversivelmente devastada, alguns poucos homens mais ricos e opatrimônio natural do planeta ainda menor.


Fonte: Envolverde

 

 

Comentários (0)

Escreva um comentário





Comentários


Mais Notícias

Taxa de desmatamento cai, mas Temer segue ven... Leia Mais!
País reforçará ação climática com a sociedade Leia Mais!
País fortalece economia de baixas emissões Leia Mais!
Ibama protege quelônios no Amazonas Leia Mais!
Corredor ecológico não salva espécies do aque... Leia Mais!
Proteção da Amazônia “pra gringo ver” Leia Mais!
Ibama renova adesão ao programa A3P Leia Mais!
Fundo do clima dará US$ 500 mi para combater ... Leia Mais!
Projeto Reviva o Óleo realiza premiação em Po... Leia Mais!
Mudas e sementes têm nova legislação Leia Mais!
SEFAC Inicia projetos de pesquisa e desenvolv... Leia Mais!