Tempo São Paulo, SP

Últimas Notícias

Povos indígenas no Brasil não têm título sobre seus territórios

07/31
12:21 2017

Durante a Segunda Guerra Mundial, o horror do holocausto não apenas ceifou milhões de vidas, como tirou de milhões de judeus, ciganos e outros grupos discriminados o direito às suas propriedades e posses. Na Polônia, o governo pós-guerra apropriou-se de milhares de imóveis e propriedades e os vendeu ou destinou à burocracia ao longo de quase 40 anos. Apenas em 1989, com a aprovação da Lei da Restituição de Propriedade, se iniciou o longo e penoso processo de restituir as propriedades expropriadas durante e após a guerra.

O direito de restituição é perpétuo. Se demonstrado a qualquer tempo que a propriedade foi tomada contra a vontade ou sem compensação ao dono, ela deve retornar a ele ou a seus descendentes.

Agora, imagine que a lei polonesa dissesse que apenas haveria restituição da propriedade se o reclamante (por exemplo, uma família judia perseguida na guerra) estivesse morando no local quando houve a expropriação ou quando as leis de restituição tivessem sido aprovadas? Não faria o menor sentido, certo?

Esta história ajuda a explicar o absurdo do parecer vinculante da Advocacia-Geral da União, aprovado e publicado pelo presidente Temer, que estabelece novas regras a serem aplicadas para as áreas indígenas do Brasil. Entre elas, esta de que, a partir de agora, só serão reconhecidas e demarcadas terras indígenas onde ficar provado que as populações estavam efetivamente vivendo em 1988, quando foi promulgada a Constituição. Depois de séculos sendo expulsos e pressionados em seus territórios, os muitos povos indígenas só puderam retornar aos seus territórios após o acolhimento de seus diretos na Constituição Cidadã.

Vale lembrar que os povos indígenas no Brasil não têm título sobre seus territórios, as terras são públicas e para usufruto exclusivo destes povos.

Pois o parecer também estraçalha o direito indígena, afirmando que o usufruto dos índios não se sobrepõe à expansão da malha viária, à exploração de alternativas energéticas e ao resguardo das riquezas de cunho estratégico, que, a critério dos órgãos competentes, serão implementados e/ou explorados independentemente de consulta às comunidades indígenas envolvidas ou à Funai. Está dado o sinal para o completo desrespeito aos diretos dos índios sobre seus territórios. Quer fazer uma estrada? Não precisa nem perguntar, passa por cima.

A demarcação das terras indígenas já havia sido fortemente reduzida no governo Dilma e com Temer parou de vez; desde que este assumiu, não houve um único reconhecimento ou demarcação. E agora vem este parecer e pelo pior motivo possível: comprar apoio político no Congresso para escapar da abertura de processo por corrupção no Supremo Tribunal Federal. Não merecemos isso.


Fonte: Observatório do clima

 

 

Comentários (0)

Escreva um comentário





Comentários


Mais Notícias

RenovaBio é aprovado no Senado Leia Mais!
ANA premia boas práticas na gestão da água Leia Mais!
Mundo reforça combate ao lixo marinho Leia Mais!
Cerrado será monitorado por satélite Leia Mais!
Com base dividida, Câmara aprova MP do Trilhã... Leia Mais!
Carbono em excesso aumenta a sede das plantas... Leia Mais!
Acordo setorial de embalagens supera meta Leia Mais!
Meta de 1,5ºC estimula complacência, dizem pe... Leia Mais!
Emenda para proteger o clima entra em vigor Leia Mais!
Aberta consulta sobre Fundo Verde do Clima Leia Mais!
COP23 entrega o que prometeu, mas não o que p... Leia Mais!